UM VOTO PELA BICICLETA



Em tempos de campanha eleitoral vemos na TV as propostas dos candidatos, nem sempre condizentes com os anseios da coletividade, ou ainda repetidas promessas para a melhoria dos serviços básicos que, é obvio, todos precisamos  e já deveriam estar disponíveis com qualidade.
Assim tenho visto também no facebook algumas tentativas de divulgação de candidaturas, apesar de um movimento grande dos usuários pedindo para que não usem essa ferramenta para esse fim. Os que insistem acabam fazendo uma anti-propaganda e se tornando mal vistos e antipáticos no meio...
Mas ao mesmo tempo tem sido assunto corriqueiro a questão da utilização das bicicletas como meio de transporte importante para a sustentabilidade do planeta e para a melhoria da saúde com o exercício completo feito ao pedalar a "magrela"! 
Meus filhos são apaixonados pelo ciclismo seja como meio de locomoção, ou para esporte e lazer. Eu como mãe estou sempre preocupada com isso, porque mesmo sabendo que eles seguem todas as regras, usam os equipamentos de segurança e amam fazer sua parte como cidadãos do mundo, ainda não existe conscientização dos motoristas e infra-estrutura com ciclovias em toda a extensão das rodovias...
Por isso resolvi deixar a minha dica aos futuros políticos que serão eleitos para que se olhe com atenção e se agilize a construção de ciclovias e se façam campanhas educativas de conscientização de motoristas para que estes  vejam os ciclistas com os mesmos direitos no trânsito. 
E achei um texto ótimo da Ana Paula Padrão falando sobre as bicicletas, os ciclistas e o nosso poder de mudança - O VOTO: 


Um voto pela bicicleta
Por ANA PAULA PADRÃO

No meio das Olimpíadas de Londres, um ciclista foi atropelado e morto por um ônibus. Aconteceu perto do Parque Olímpico, na avenida de saída dos double-deckers - aqueles ônibus vermelhos de dois andares que transportavam jornalistas e técnicos indo e vindo de seus hotéis. Era noite e o ciclista estava sem capacete. Confesso que não apurei de quem foi a culpa, mas posso atestar que o caso ganhou espaço e repercussão em todo o noticiário local. Os ônibus daquela linha foram suspensos por algumas horas. Ruas foram fechadas. Formou-se um gigantesco congestionamento.
Mas foi uma exceção. Em geral, ciclista é muito bem tratado no trânsito nem sempre fluido da cidade. Há faixas especiais para eles. Semáforos que indicam quando ele tem a preferência. Os motoristas os respeitam. E eles respeitam a fragilidade de sua condição sobre duas rodas usando equipamentos adequados. Roupas reflexivas, capacetes, luvas. 
A bike, lá, não serve só pra passear. Trata-se de um meio eficiente de transporte. Até o primeiro ministro vai para o trabalho em duas rodas! A convivência entre bicicletas e outros veículos é civilizada e cortês. Por isso um acidente como aquele chamou tanta atenção.
Leio uma pesquisa que diz que quanto mais bicicletas tem uma cidade menor é o número de acidentes envolvendo ciclistas. Faz sentido. O respeito mútuo vem com o hábito. Mas, para que o hábito prevaleça, é preciso que haja regras. É o que não temos nas cidades brasileiras. Regras e punição para quem as descumpre.
Estou em Barcelona agora, em férias. Vejo turmas de alegres ciclistas pedalando em faixas próprias, sinalizadas. Assim como em Londres, há pontos para aluguel de bikes. E numa cidade plana como essa, onde o verão é quente como o nosso, bicicleta é uma excelente opção.
Penso nisso e me dá uma pena da falta de planejamento, de segurança e de autoridade brasileiras. Mas as eleições municipais estão aí, batendo à nossa porta. Não custa lembrar que, para quem preza as leis que regem o saudável convívio social e a democracia, não há nada melhor e mais poderoso que o voto.


ENTÃO AMIGAS, VAMOS FAZER O NOSSO VOTO VALER E TRANSFORMAR O QUADRO POLÍTICO COM PESSOAS QUE VALORIZEM OS CIDADÃOS!!!

Obrigada por sua visita e pela nossa amizade!
BJSSS

2 comentários:

Tina Bau Couto disse...

Meu voto.
Ando aos domingos com meu marido e outro dia, andando na via de ciclistas um pai com uma menina pequena se virou de vez pela minha frente, do nada,para não machucar amenina me acabei tda no chão.
Falta consciência coletiva, vias, educação.
Beijos minha querida!

Rosana Remor disse...

EU ACHO O MÁXIMO PEDALAR!!MAS SOU TÃO MEDROSA!!VOTO NELA!BJS!