New York - terça - 09/11/2010

Hoje é dia de achados e perdidos, um de cada vez... Vou explicar no desenrolar do dia...
A terça ficou reservada na programação para irmos às compras, porque New York é "o" paraíso das compras, tudo lá é muito barato em relação ao Brasil. E, salvo poucas exceções, todas as mercadorias à venda são de qualidade, as "com" grife e as "sem" grife. Tínhamos a indicação de algumas pessoas e de um guia de NY (comprado este ano, mas a edição é do ano de 2008) estudado para montar as atividades da viagem, dia-a-dia, aproveitando o tempo da melhor forma possível.
Usamos também o conhecimento do meu tio (companheiro de viagem) que já morou por 9 anos no país do Tio Sam, além de já ter ido diversas vezes à Manhattan. Sabe tudo e anota tudo, quase um guia particular e inteiramente por dentro de todas as nuances da cidade. Já havia passado muito tempo desde a sua última viagem lá, mas seguindo suas anotações comprovamos que as coisas por lá mudam muito pouco, excluindo-se a tecnologia. Todas as dicas que ele deu foram essenciais para o restante do grupo indo pela primeira vez.
Mas (sempre tem um mas) quando naquela manhã pegamos um táxi para chegar ao endereço onde meu tio já tinha ido, e que eu tinha visto anotado na programação da minha cunhada em sua viagem um ano atrás, não imaginávamos a decepção ao chegar lá... A Rua Orchard transversal à Delancey Street era um burburinho de gente comprando nas lojas de outlets...


Só que antigamente, porque hoje é uma rua até perigosa e deserta,
com quase todo comércio fechado...


Passamos por uma loja de roupas masculinas que estava funcionando e o dono quase nos puxou para dentro, ficamos até constrangidos com tanta insistência. Nos demos conta de que o lugar havia "morrido" e nós é que não íamos ficar ali nem mais um minuto.
Mais do que depressa me lembrei de ter pesquisado num site de viagem, inclusive levei impressas algumas dicas para alguma necessidade, e a dona dele falava de alguns lugares bons para compras e o mais perto naquele momento seria a loja Century 21, que fica um pouco mais ao sul e do lado west (estávamos no lado east).
Pegamos outro táxi e fomos lá. Ah! agora sim! Uma loja quase tão grande como a Macy's só que com preços de outlet. Então nos perdemos nas compras e a mulherada ficou feliz!
Pena que não tirei nem uma foto dentro da loja, para mostrar a quantidade de gente lá! Também eu queria comprar alguma coisinha, não podia me desconcentrar, hehe!


Entramos na Century 21 e não observamos direito a rua e o local, devido ao frisson das compras, assim quando saímos fomos conhecer e tirar fotos do World Trade Center, onde ficavam as Twin Towers que foram derrubadas pelos terroristas. A loja fica em frente ao chamado marco zero (Ground 0). Tudo está em obras e vai ser construído um memorial em homenagem às vítimas. Senti uma tristeza de ver aquele lugar todo mexido, com tantas máquinas trabalhando e vendo as fotos estampadas no tapume... Deve ter sido uma dor muito grande para todos os novaiorquinos, mesmo para os que não tinham ninguém conhecido na tragédia...




Bem, neste ponto 3 integrantes do nosso grupo resolveram debandar para o hotel, tomar banho, almoçar e descansar os pezinhos doídos. Então despachamos nossas sacolas de compras com eles no táxi de volta, e eu e marido (por livre e espontânea pressão) ficamos para conhecer mais nas redondezas.
Resolvemos dar uma olhada numa grande loja chamada J&R Music World, então passamos pela
praça da Liberty Street, ao lado de onde fica o prédio da Century 21, e pegamos a Broadway para chegar até a pracinha onde tem início a Park Row Street. Aproveitei para fotografar a primeira praça muito lindinha já iluminada para o Natal.


A loja J&R é gigante também, tem, se não me falha a memória, 12 portas de entrada e em cada uma delas tem uma placa dizendo quais os produtos que você vai encontrar naquele setor. Fomos procurar meu Notebook para comprar, lembram da saga e do aborrecimento que tivemos quando meu marido quis me dar um de presente?
Então estou contando agora um segredinho guardado: meu marido deixou para comprar meu note nesta viagem, por isso desde o primeiro dia começamos a olhar nas grandes lojas os modelos escolhidos pelos sites. Mas ainda não encontramos nesta loja, paciência, ainda daria tempo de olhar em outras...
Para usar bem o tempo do restante do dia, sugeri ao meu bem que voltássemos à pé e sem pressa veríamos (fotografando, lógico!) todas as novidades pelas ruas. Meio a contragosto (só eu que gosto de "bater perna", aff!) ele concordou.
Como já tinha estudado o mapa e sabia de cor e salteado, falei para seguirmos pela Broadway, que corta a ilha de Manhattan de norte a sul - e o casal já estava nela - aí fomos nós...
Primeiro paramos na Trinity Church e admiramos a igreja e o cemitério muito antigos, e em frente vimos a elegante e movimentada Wall Street. Logo em seguida passamos pela Exchange Plaza para chegar depois em Bowling Green Park, onde na ponta da calçada fica o Charging Bull, um touro de bronze em tamanho natural e pesando mais de 3 toneladas, e que representa a força do mercado financeiro americano.


Nesta hora lembramos que já eram umas 5 hs da tarde e a barriga estava vazia, esquecemos de comer, quero dizer, eu esqueci, porque de repente notei que marido estava bicudo, com raiva porque estava com muuuuita fome. Entramos numa SUBWAY que tinha em frente ao touro dourado e ficamos lá comendo e nos divertindo com os turistas tirando fotos com o bichão.

Acabamos de comer e voltamos a seguir pela Broaday, até que de repente ela mudou de nome para Whitehall Street... E marido começou a me perguntar se eu sabia mesmo para onde estava indo... E eu convicta que a Broadway iria aparecer de novo mais na frente... e aí... numa das esquinas eu olhei para um lado e avistei o mar, olhei para o outro e também avistei o mar... Concentrei meus olhos de lince para enxergar o que estava escrito no final da rua e consegui ler:
STATEN ISLAND FERRY!!!!
Ai meu Deus! ao invés de andar para o sentido norte, eu havia andado para o sul, hahahahaha!!!
Marido ficou nervoso achando que estávamos perdidos em NY, hahahahaha!!!
Minha reação foi essa mesma, ri muito de mim e do marido achando que estávamos perdidos!!!!
Falei para ele que já que aconteceu o "engano", a gente podia aproveitar e pegar o ferry boat (ainda é de graça tá amiga!) e dar uma volta até a outra ilha e assim a gente veria o entardecer às margens de NY. Vocês pensam que ele me ouviu? Nada disso, quis pegar o caminho de volta na mesma hora, rsrs...


"Então tá bom, vamos voltar! De táxi nem pensar, não quero, quero ir à pé!" E lá foi ele na minha água de novo!
Gente acho que eu fui muito doida neste dia, por favor peguem o mapa e olhem a distância que estávamos da extremidade sul da ilha para a rua 34 na Sétima Avenida. E já eram 6hs da tarde, depois de andar o dia todo...

E fui eu embromando o marido, tirando fotos de tudo que via e ele com dor no joelho, aiaiai...

Só uma entradinha na loja da Bloomingdale's para conhecer e uma foto na entrada, vai?!


Mais uma loja sui generis em sua decoração: na vitrine e no interior centenas de máquinas de costura antiga, daquelas que tinha que girar a manivela para costurar!

E vamos andando, e andando, e andando...

Chegando na metade do caminho, na Union Square, que é a intercessão de ruas (entre elas a Broadway) e uma grande praça central. Um lugar lindo também!

Marido foi se distraindo e fotografando os topos iluminados dos lindos edifícios antigos!


Que felicidade! Esse último com as luzes em azul e amarelo é o Empire State
Building que fica perto do nosso hotel!

Passamos também pelo Ed. Sullivan Theater onde são gravados os programas do Late Show com David Letterman que faz um enorme sucesso aqui, como o Jô Soares no Brasil. Essa imagem é da internet porque não tenho uma foto minha. Só para contar que na hora que passamos estava sendo gravado um dos programas e estava lotado de gente em frente esperando para entrar. Mais concorrido que as peças da Broadway!

Chegamos ao hotel às 19:40hs, eu cheia de alegria e marido morto de cansado, rsrs...
Mas ele não se aborreceu com isso, afinal quem está na água é para se molhar, né mesmo?
Por hoje é "só" isso!
Bjbjbj

2 comentários:

Marcia disse...

Querida,a aventura está super bacana! Só quero saber se vc subiu no topo do Empire State. Tipo "Tarde demais para esquecer", sabe?
Mas prometo me comportar e aguardar os próximos capítulos, rsrs.
Beijoca

Nárriman disse...

Ei Raquel!!!
Que viagem maravilhosa amiga!!! Aproveitei essa madrugada de insônia (por bons motivos) e dei uma longa passeada em seu blog para me atualizar. Estou amando acompanhar o roteiro!
Bjk!!!